top of page

“As minhas férias na ilha de Santo Antão,” César Augusto Medina Fortes

As aulas terminaram no dia 10 de Junho. E para a nossa alegria, as férias tinham começado. Santo Antão seria o nosso destino.

Saímos de casa bem cedinho, e fomos para o cais de São Vicente. Apanhamos o táxi de nhô Custódio, um Mercedes-Benz, branco, com um cãozinho de plástico no tablier, que mexia cabeça à medida que o carro andava. Era novinho em folha. Todos solicitavam para transportar os noivos. Como podem imaginar, eu estava muito feliz por andar no carro mais bonito da ilha. Durante o trajeto para o caís, eu não parava quieto, observando como nhô Custódio girava o volante e trocava a mudança. Era algo admirável.

Quando chegamos no Porto Grande, tinha uma multidão esperando na fila para entrar no ferry boat “Porto Novo”. O mar estava um pouco revolto. Mesmo assim lá fomos nós. O “ferry boat”, tinha fama que fazia enjoar até as malas. Tinha gente, que só de ouvir o nome do barco já ficava enjoada, como é o caso da Ti Jona. O barco subia e descia as ondas, sem termos certeza se voltava para a superfície outra vez. Pessoas gritavam: “Mar não tem árvores, vamos afundar.”

Mas nós crianças, estávamos animadas para chegar à Santo Antão. Depois de uma hora de viagem turbulenta, chegamos em Santo Antão. O cais de Porto Novo tinha um calor infernal e não tinha nenhum sítio para se esconder do sol abrasador. Era tanta gente que a azáfama era grande. Uns descendo e outros preparavam-se para entrar no barco em direção à São Vicente. O cais era pequeno para tanta gente e tantos carros. Segurando as nossas tralhas, caminhamos em direção ao camião que nos levaria à Chã de Igreja. O Bedford de 1958, de cor verde, que pertencia à nhe Cuca, já estava a nossa espera. Lá iniciamos a viagem de carro que demoraria umas três horas. No cais, víamos pessoas a vender “sucrinha” em forma de cone, marmelo, maçã, queijo e muitas outras coisas tradicionais da ilha. O carro fazia muito fumo que prometia fazer-nos enjoar mais uma vez. Os adultos sentaram nas cadeiras e nós, as crianças sentámos no fundo da caixa, juntamente com as malas. Saímos do cais, fizemos a curva e entramos na estrada principal.

Iniciamos a subida para a zona de Corda.

Chegámos na zona de Delgadinho e de repente o silêncio tomou conta do camião. O lugar mete medo com os precipícios dos dois lados da estrada. Fechamos os olhos e só respiramos depois de termos atravessado aquela parte perigosa da estrada. Na ribeira, o velho Bedford, ia devagar, pois andava em cima de pedregulhos e iria demorar até chegar em Chã de Igreja.

Chã de Igreja é uma pequena e bela vila, mas que parece uma cidade em miniatura. Terra de pessoas educadas, com ruas limpas e organizadas, com muita cana à volta, altos coqueiros, com um cheiro de manga por todo o lado. No centro da vila existe uma bonita igreja, a qual dá o nome à vila de Chã da Igreja.

Chegámos na casa da minha avó Ludovina “Vinha”. Todos os nossos familiares saíram para cumprimentar-nos e ajudar com as malas. A Fátima estava a pentear o cabelo da “Ti Tuda”. Era uma alegria total. Abraçamos toda a gente. Parecia que a nossa família inteira estava em Chã de Igreja. O pequeno-almoço tinha mandioca frita, chá de hortelã, cachupa guisada e omeletes. O cheiro era irresistível.

A casa da minha avozinha tinha muitos animais. No dia seguinte, de manhã cedo, apanhei uma caneca de latão e chamei o Aldevino, meu primo mais velho e pedi-lhe um favor especial:

– “Ó Aldevino, bô podia trazeme um bocadim de leite de burro, de favor?”

Eu, como “boys de Soncente” e na minha santa ignorância, pensava que todos os animais davam leite, até o burro. Mas lá foi o Aldevino e voltando com a caneca cheia de leite. Bebi o leite todo e até fiquei com um bigode de espuma. As férias estavam a começar da melhor forma.

O mês de Outubro chegou ao fim. As férias terminaram. Era tempo de voltar para São Vicente. E nós, na véspera da partida, ficamos até tarde, a falar das maravilhosas férias que tivemos. No dia seguinte, amigos de Chã de Igreja foram nos despedir. Quando o carro já ia dobrar a esquina, voltamos a cara para trás, com um nó na garganta e quase chorando, com a mão bem alto, fizemos adeus para a nossa avó Ludovina, a nossa querida “Vinha”. Ela, com uma cara triste, ficou a acenar-nos até o carro desaparecer no fim da rua.

Dentro do caminhão o cheiro do fumo era intenso. Já com alguns minutos na estrada, começamos a dormir. Quando chegamos no cais do Porto Novo, tinha um calor que parecia que o chão estava pegando fogo. Era uma confusão em cima do cais com o negócio de verduras. E lembrar que íamos no mesmo barco, começávamos a ficar enjoados. Podíamos até vomitar, mas estávamos muito felizes a caminho de São Vicente depois de termos passado umas boas férias.

Só não sabia eu, que a minha mãe nos tinha levado para essas “maravilhosas férias” com o intuito de deixar-nos com a nossa avó e depois partir para a Itália, porque a vida em São Vicente não estava fácil. Anos mais tarde, ela contou-nos toda a história, explicando que desistiu da viagem porque, enquanto de dia, nós ríamos de alegria, ela, à noite, chorava de tristeza de ter que deixar os filhos para trás, para serem criados por outras pessoas. Ela já tinha até o bilhete de passagem comprado, mas sentiu pena de nós e não viajou. Deixou o sonho de ter uma vida melhor para ter a realidade e a alegria de viver com os filhos. Creio que ela não se arrependeu da decisão que tomou naquele dia. Nós agradecemos a nossa mãe por esta sábia decisão até hoje.

Foram as melhores férias da nossa infância.

0 views0 comments

Recent Posts

See All

2019 Mormon Lit Blitz Winner

As always, we owe thanks to all the writers who submitted to this year’s Mormon Lit Blitz and to the many readers who read the finalists, shared them on social media, and cast votes in the contest. Sp

Voting for the 2019 Mormon Lit Blitz

The time has come to choose the winner of the Mormon Lit Blitz! Voting Instructions As per tradition, the audience chooses our annual Mormon Lit Blitz winner. To vote, look through the pieces, choose

“Low Tide” by Merrijane Rice

My father is leaving. He ebbs and flows— we call him back, but each time he slips a little further. He is tired, he says, impatient for his journey home. I urge on him just one more day and he

Comments


bottom of page