top of page

“O Caixão de Nhô Jon Anton” de César Augusto Medina Fortes

For the English translation, click here

Nhô Jon Anton nasceu no Mocho da Garça na ilha de Santo Antão e cedo emigrou para a Argentina a procura de uma vida melhor. Todos os anos, voltava para a sua terra natal, para matar as saudades e deixava sempre mais um filho. E entre eles, a Basília, Dalena, Luís, Valentin, Ervelina e outros.

Em 1955, nhô Jon Anton tinha juntado algum dinheiro na Argentina e resolveu regressar à sua terra.  Foi na Cabeça de Mocho da Garça que ele comprou uma casa e uma terrinha. Ele era visto sempre, nas corridas, durante as festas de São Pedro, montado no seu lindo cavalo, com umas botas de couro e o chicote na mão para comandar o cavalo. Era também um grande jogador de oril.

O tempo passou e ele envelheceu. Nhô Jon Anton foi viver com a filha Ervelina em Chã de Igreja, para poder ficar mais perto de um enfermeiro.

E em 1984, já com 84 anos, ele faleceu.

Nhá Ervelina chamou quatro homens de sua confiança, a saber, o carpinteiro João de Hipólito, os primos Autelindo (Kokin) e Aldevino, o professor Chichal e o coveiro Albertino, para uma missão mórbida de irem buscar o caixão de nhô Jon Anton na localidade de Mocho da Garça, onde ele residia anteriormente.

Nhô Jon Anton tinha o seu caixão feito há vários anos e tinha-o guardado na sua casa para quando ele morresse, que não fosse enterrado em qualquer caixão, feito indigente.

Lá partiu os bravos homens para a ingrata missão. O caminho era montanhoso, escuro e longo. E para manterem-se motivados, levaram uma garrafinha de grogue e umas lanternas.

Chegaram na zona de Mocho, entraram na casa de nhá Djodja e contaram o sucedido. O filho, Anton Joaquim, da varanda da casa, bradou:

– Ó ti Jon Corr.  Nhô Jon Anton já merrê na Chã de igreja.

E de lombo em lombo, foram gritando e repassando a mensagem até todo o vale do Mocho ficar a saber da morte de nhô Jon Anton. E começaram a ouvir algumas mulheres a chorar o filho ilustre do vale.

Os quatro homens foram guiados pelo António Joaquim até a casa do falecido para procurarem o caixão. Revistaram toda a casa e não encontraram nada. Depois de estarem exaustos, pararam no centro da casa, pensando onde o falecido teria guardado o raio do caixão.

António Joaquim virou a cara para o teto e viu o caixão pendurado numa tarimba. Riram à vontade.

António Joaquim, alto e forte como era, com braços talhados pelo trabalho de agricultura, segurou sozinho o caixão nos ombros galgou a Selada e de cara para a Chã de Igreja começaram a jornada de volta. Os outros homens, caminhavam ao lado, segurando o caixão para que não caísse. João e Autelindo, como fiéis cristãos, batizados na igreja desde pequenos, tementes a Deus, mas mesmo assim tinham muito medo e começaram logo a orar ao Pai Celestial pedindo que os livrasse e os protegesse do espírito de Nhô Jon Manel, para que ele não entrasse no seu caixão antes de chegarem em Chã de Igreja.

Já era quase meia-noite quando chegaram em Chã de Igreja. Subiram no terraço da casa de nhá Ervelina e Jon de Hipólito munido de um martelo e uns pregos, foi reparar o caixão que, estava quase esforrado por causa da humidade de tantos anos.

Autelindo parecia um poste, com uma vela na mão, iluminando o terraço, para que João de Hipólito concertasse o caixão. Aldevino e Chichal seguravam o caixão enquanto o Jon pregava. Autelindo, que era muito abusado, de vez em quando, deixava cair uns pingos da vela derretida, de propósito, em cima da sandália de plástico do professor Chichal, e que lentamente, deslizavam no meio dos dedos e aí é que queimavam na alma.

E Chichal gritava:

– Ó Kokin, mosse!! Se bô n’era fí de cmade Maria de Vinha me tava dzebe um cosa. Mdjôre bô vitá!

E os outros riam à vontade.

Autelindo deixou cair os pingos da vela vezes sem conta, nos pés de Chichal, a madrugada toda. E Chichal cada vez que isso acontecia, gritava muitos palavrões.

De manhã cedo, o caixão já estava pronto para ser usado, pelo seu legítimo dono.

E foram enterrar nhô Jon Anton, o senhor que em tempos foi emigrante em Argentina e veio repousar na sua terra natal.

Depois do enterro, os bravos rapazes foram dar os pêsames na família. Sentados, cada um num canto da casa, olhavam um para o outro. Autelindo via para o Aldevino e para o Jon de Hipólito e apontava para a sandália de plástico do Chichal, coberto de vela seca e com a mão na boca, riam.

Depois quando sairam, foram para a pracinha e soltaram todos, o riso que estava oprimido. Riram à vontade.

E Chichal dizia meio a sorrir:

– “Hoje jame passá pior que rote num bli, na bsot mon, hein! Bsote é mufine.”

E abraçados, os quatro amigos, juntos, caminharam para a zona de Bordeira para terminar o grande dia, que cumpriram uma ingrata missão, mas com sucesso.

1 view0 comments

Recent Posts

See All

2022 Mormon Lit Blitz Voting

Each year, we award a small cash prize to an audience favorite piece from the Mormon Lit Blitz. To vote, look through the pieces and rank your favorite four. Then cast your vote here. The finalists ar

Comentarios


bottom of page